O que saber antes de ir a Paris

Quando soube que eu tinha a opção de ir a mais uma cidade além de Istambul, eu imediatamente pensei: Paris.

Já tinha ido duas vezes para a Europa e na última vez, eu havia feito um mochilão inesquecível pela Europa toda, mas não pensei em nenhum momento em incluir a França. Não sei o por quê… Talvez meu foco estivesse na Itália (que país maravilhoso!) e não pensei em Paris.

E agora, estou tendo mais uma oportunidade de ir a Europa de novo e decidi visitar Paris! Até o momento, a programação da viagem ficou definida assim:

– 1º dia: chegada em Paris após escala em Istambul / visita ao Palácio de Versailles
– 2º e 3º dia: city tour em Paris com o ônibus hop on / hop off com a empresa Open Tour
– 4º e 5º dia: parque da Disney (Disneyland Paris e Walt Disney Studios Park)
– 6º dia: Museu do Louvre

É claro que pode mudar dependendo do clima ou de outra coisa. O importante é que possamos aproveitar a viagem.

Faremos dois dias de city tour, pois o ônibus oferece a oportunidade de descer em alguma das atrações durante o dia para conhecer e passear. E o ingresso ainda inclui passeio pelo rio Sena.

A história de Paris é longa. França fica numa região que favorece o clima, a agricultura e as migrações humanas. Há pinturas rupestres nas cavernas, ruínas em algum lugar na França, castelos nas colinas e monumentos e estátuas nas principais cidades. Cada uma delas conta uma história que aconteceu na França, mas um capítulo colocou Paris no mapa do mundo: a Revolução Francesa.

A Revolução Francesa me fascina muito pois fala sobre a transferência do poder do rei para o povo. Que os interesses não são mais do rei e da aristocracia (que era composta apenas de 1% da população francesa!). A Revolução teve de tudo: protestos, lutas, fugas, mortes e o nascimento da democracia. E Paris foi, obviamente, o palco de tudo isso. Abaixo fiz um breve resumo bem leigo sobre isso.


No final do século 18, com o desenvolvimento do comércio, da indústria e das finanças, a burguesia estava prosperando e exigia que o país se modernizasse a exemplo da Inglaterra e dos Estados Unidos. Porém, a monarquia absolutista procurava criar obstáculos para impedir o crescimento. Isso contribuiu para que as ideias revolucionárias que pregavam o princípio da soberania popular, igualdade de direitos e liberdade econômica ganhassem mais força diante do enorme descontentamento.

Havia inúmeros privilégios e abusos da monarquia e da nobreza, além da má administração pública e do pagamento de altos impostos/direitos feudais da burguesia e do camponês que eram exigidos pelo rei Luís XVI.

Com a crise política, chegou também a crise econômica que contribuiu para o aumento do desemprego, da fome e do número de indigentes vagando pelas ruas de Paris – a cidade tinha mais de 120 mil indigentes, cerca de 18% da população da cidade em 1783.

As razões foram suficientes para que Paris sofresse a queda de Bastilha em 14 de julho de 1789, após várias sessões fracassadas de Assembleias entre o clero, a nobreza e o terceiro estado (burguesia e camponês – que representava quase toda a população da França) com a tentativa de acalmar os ânimos exaltados.

A partir daí, surgiu tempo sombrio para a França inteira – camponeses invadiam castelos e palácios (assim como a Versalhes), cidadãos foram mortos nas praças, incluindo o rei Luís XVI e a Maria Antonieta que tentaram fugir do país, mas foram pegos e após isso, foram mortos e guilhotinados por traição ao povo francês.

No final, em 1793, a Europa reconheceu a França como uma república. E após diversos golpes de Estado, Napoleão Bonaparte chega para assumir como imperador da França em 1799, dando início ao um novo capítulo da França.

Apesar de tudo isso, a Revolução Francesa foi muito importante, pois foi aí que nasceram as ideias de uma república – em que o povo elegeria o representante por voto direto – e também surgiu a Declaração Universal dos Direitos do Homem que proclama a liberdade, a igualdade, a inviolabilidade da propriedade e o direito de resistir a opressão.


Falarei brevemente sobre alguns dos lugares que pretendo visitar em Paris:

– Palácio de Versailles: um dos maiores palácios do mundo, foi a residência dos reis da França por um pouco mais de um século. Fica situado no subúrbio de Paris e foi palco de diversos acontecimentos da França, incluindo a Revolução Francesa.

– Torre Eiffel: foi construída em 1889 apenas para a Exposição Universal naquele ano, mas graças a sua popularidade, não foi desmontada e hoje é ícone da França e a atração mais visitada do mundo.

– Museu do Louvre: um dos mais famosos museus do mundo, reúne coleções como o Egito antigo, antiguidades grecos romanas e milhares de obras primas de diversos artistas como Da Vinci, Michelangelo, Rembrandt, Goya, Rubens, entre outros com peças como Mona Lisa, Vênus de Milo, Vitória de Samotrácia e Retrato de Luís XIV. É o museu mais visitado do mundo.

– Basílica de Sacré Cœur: é uma igreja católica que foi construída no final do século 19.

– Catedral de Notre-Dame: uma das mais antigas catedrais francesas, construída no século 12. Ela é dedicada a mãe de Jesus, Maria e leva o estilo gótico.

– Arco do Triunfo: é um monumento localizado no coração de Paris e foi erguido em comemoração as vitórias militares do Napoleão Bonaparte. Os detalhes do Arco mostram os nomes das batalhas e dos generais.

– Catacumbas de Paris: é um ossuário subterrâneo da cidade de Paris e sua extensão conta com mais de 400km, mas apenas uma parte dela pode ser visitada. Foi construída para resolver o problema da superlotação dos cemitérios e das doenças decorrentes da decomposição dos corpos.

– Champs-Élysées: uma das avenidas mais famosas de Paris, o preço por metro quadrado é um dos mais altos do mundo e conta com cafés, cinemas e lojas de especialidades luxuosas e de marcas.

– Galeries Lafayatte: é uma loja de departamento francesa inaugurada em 1893.

– Disneyland Resort Paris: conta com dois parques – Disneyland Paris (antigo EuroDisney) e Walt Disney Studios. O primeiro foi inaugurado em 1992 e o segundo em 2002. Foi o segundo complexo inaugurado fora dos Estados Unidos, depois de Tokyo.

Parece que são muitas coisas para visitar em apenas 5 dias, né? Mas pelo que ouvi falar, dá para aproveitar tranquilamente.

Ah! Grande dica: pesquisando um pouco melhor sobre as atrações, eu descobri que deficiente auditivo (que eu sou) não paga para entrar no Palácio de Versailles nem no Museu do Louvre. E ainda tem 10% de desconto dos parques da Disney e uns 52% de desconto da Torre Eiffel. Só precisa apresentar uma carteirinha comprovando a deficiência. O Palácio de Versailles e o Museu do Louvre ainda dá gratuidade ao acompanhante. Demais, né?!

Agora, é só embarcar e curtir a viagem. Au revoir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *